4.2.13

O Tempo


O Tempo

Olá pessoal. Vamos à segunda postagem. O texto de hoje foi escrito após uma leitura do Sermão do Mandato do Padre Antônio Vieira (simplesmente genial!) – conhecendo um pouco a obra de Vieira entendo por que ganhou o título de “imperador da língua portuguesa” por Fernando Pessoa. Vieira trata (basicamente) da relação entre o Amor e quatro “remédios” enumerados por ele: o tempo, a distância, a ingratidão e o melhorar do objeto. Em cada postagem vou abordar um desses temas – sob a minha visão.

Considerando-se a complexidade envolvendo o amor e o tempo optei por encabeçar o tema com este tópico.
Penso que a dificuldade em abordar a influência do tempo no amor ou vice versa – é que dessa ligação resultam diversas características e variantes – muitas delas conflitantes.
Uma dessas características é o efeito atrativo-persuasivo do tempo. Em regra – o efeito é facilmente observado em inícios de relacionamentos. Como se por um pacto silencioso – entre o coração apaixonado e o tempo – aquelas primeiras impressões (não raras vezes formadas precipitadamente) se prolongam no tempo.
Comumente essas impressões fantasiosas são desastrosas! A partir do instante em que se quer acreditar que as qualidades do outro – beiram a perfeição – mais difícil é o juízo de retratação – já que enxergar a verdade seria o mesmo que admitir a impossibilidade de existir alguém perfeito – e isso meus caros leitores – em determinados estágios do deslumbramento (machuca!).
Adiante...
O efeito atrativo-persuasivo também possui outra faceta. Ao que parece – pela vontade de dois corações arrebatados pelo amor – a própria noção de tempo se desestabiliza. Um dia inteiro em companhia da pessoa amada – parece burlar qualquer limite da ordem cronológica – as horas avançam impiedosamente, ou melhor, fogem! E quanto à ausência da pessoa amada? O tempo parece se condensar; concentrar em si mesmo toda a inquietude da eternidade – num universo em que a passagem de um mísero minuto parece ser o equivalente a de uma vida inteira!
Mas o tempo também é genioso! E aprecia – como ninguém – comprovar como qualquer fato em nossas vidas é passageiro, breve.
Após um determinado período – o véu que encobria todos os defeitos cai. E a queda não é num ritmo lento – propiciando tempo (talvez) para uma possível adaptação. A queda é abrupta, avassaladora - onde não se pode ensaiar qualquer tipo de reação.
É neste momento que o sentimento realmente é testado! A mais simples falta – toma feição de um crime bárbaro; o tempo vai desgastando tudo – pois não há mais novidades para serem demonstradas (e como o espírito humano aprecia ineditismos para se inspirar!).
Nessa passagem do deslumbramento sem medida para à realidade é que podemos ver meu caro leitor – se o tempo sobrevive ao amor – e a questão mais grave: se o sentimento era realmente amor! Já que o verdadeiro amor sempre tem a capacidade de avistar as qualidades e os defeitos da pessoa que se gosta – e se admirar novamente!
Encerro com uma das belas passagens do sermão “... Por isso os antigos sabiamente pintaram o amor menino, porque não há amor tão robusto, que chegue a ser velho”.

Até a próxima.

Vitor Hugo

12 comentários:

  1. Oi Vitor, belo texto.
    Beijinhos
    http://marlicarmenescritora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Nossa, amei a mudança do cabelo, ficou bem mais colorido, mais alegre, adorei.
    E lembro que o Vitor ainda não vazia parte da equipe... ele escreve muito bem, adorei.

    http://talento-feminino.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Conheço o texto. Sempre gostei dele... Conheci durante o Ensino Médio...

    P.S.: Comprei o livro "A Promessa" por R$12,00 no Submarino.

    Beijos!
    meumundoecolorido.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Genial meu amigo! Espero ansiosamente pelo próximo post... Abraço!!!

    ResponderExcluir
  5. Genial..
    Muito legal essa postagem educativaa.. Parabéns Hugo por trazer inovação e conhecimentos para o magnifico blog da Ela"

    Curtiu a minha nova página no face?? curta#
    http://www.facebook.com/pages/BLOG-Angel-Poubel/593476004003339?ref=hl

    Big bj ;*
    http://angelpoubel.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Gostei muito do jeito que você analisou.
    vestindo-ideias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Belo texto, o tempo e o amor..só conhecendo mais profundamente o objeto que é a pessoa amada- aquela perfeição, admiração- muitas vezes vai embora e realmente o véu da escuridão( para mim)cai e realmente conhecemos quem é realmente a pessoa. Se irá continuar amando ou não..aí já é outra questão. Abraços.Sandra

    ResponderExcluir

 
Páginas em Preto © Todos os direitos reservados.