4.3.13

Resenha:O Pequeno Príncipe


Resenha “O Pequeno Príncipe”



Antoine de Saint-Exupéry
Idioma: Português
Acabamento: Brochura
Edição: 91 páginas
2012
ISBN – 978-85-61706-21-0.
Preço de capa: 24,00.

Sinopse: À primeira vista, um livro para crianças. Na definição de Antoine Saint-Exupéry, seu autor, "um livro urgentíssimo para adultos", o que talvez explique a extraordinária sobrevivência literária de o pequeno príncipe.

Publicado pela primeira vez em 1943 na Nova York em que foi escrito e, no ano seguinte, na França, o livro chegou à AGIR com o componente de acaso que, em geral, cerca a edição de fenômenos editoriais, já que a obra havia sido comprada por outra tradicional editora brasileira, que desistiu da publicação.

Traduzida primorosamente por D. Marcos Barbosa, a versão brasileira chegou à  livrarias em 1952, tendo vendido desde então mais de 4 milhões de exemplares.

Le Petit Prince, The Little Prince, El Principito, Der Kleine Prinz - em qualquer uma das mais de 150 línguas em que é publicado, causa encanto a história do piloto cujo avião cai no deserto do Saara, onde ele encontra um príncipe, "um pedacinho de gente inteiramente extraordinário" que o leva a uma jornada filosófica e poética através de planetas que encerram a solidão humana em personagens como o vaidoso, capaz de ouvir apenas elogios; o acendedor de lampiões, fiel ao regulamento; o bêbado, que bebia por ter vergonha de beber; o homem de negócios que possuía as estrelas contando-as e contando-as em ambição inútil e desenfreada; a serpente enigmática; a flor a qual amava acima de todos os planetas.Extraido de:http://www.sinopsedolivro.net/livro/o-pequeno-principe.html

(
Resenha do blogueiro: O Pequeno Príncipe é uma destas obras raras que sempre traz algo inédito e significados profundos a cada leitura. Ou seja, é um verdadeiro clássico!
Salvo engano – há cerca de pouco mais de um ano – fiz minha última leitura do livro. Lendo-o novamente, é impressionante como certos detalhes – que passaram despercebidos na leitura anterior ganharam corpo, e mudaram certas compreensões que eu tinha ou – o quê mais aconteceu – como se revelaram novos conceitos através de frases pretensiosamente triviais.

As que mais me impactaram foram as seguintes.

  Sobre o desenho da jiboia. “... as pessoas grandes têm sempre necessidade de explicações detalhadas” Com o passar do tempo – infelizmente – começamos a nos impregnar com uma interpretação “seca” dos fatos da vida – não conseguimos mais nos guiar pela imaginação e com os “olhos do coração” ver além! É sintomático e bem exemplifcativo que todos os adultos – a quem o narrador enquanto criança – exibiu o desenho da jiboia engolindo um animal – não consigam ver senão um simplório chapéu.

  O conselho para que o narrador – deixe o mundo das artes, do desenho – para se ocupar de coisas sérias – segundo as “pessoas grandes” tais como geografia, história, matemática. Quantas vezes não fomos instruídos – erroneamente – a abandonar nossos sonhos e convicções em nome de coisas/afazeres que são úteis ou práticas? Não se trata evidentemente – de nos satisfazermos exclusivamente com nossos sonhos e aspirações, entretanto, nem todas as nossas predileções têm que possuir esse caráter prático.

  Uma parte de um dos diálogos entre o pequeno príncipe e o narrador, em que o primeiro arremata “Quando a gente anda sempre em frente, não pode mesmo ir longe”. Quantas vezes nos livramos de toda agitação para uma tentativa de reflexão? Caminhar para frente “impensadamente” de fato não é prosseguir/avançar.

  Há muitos pontos para se debater– me prendi as páginas iniciais – o que demonstra a riqueza do livro. Em certo momento o narrador “... Mas, infelizmente, não sei ver carneiro através de caixa. Talvez eu seja um pouco como as pessoas grandes. Devo ter envelhecido”.

 E vocês meus caros leitores? Andam encontrando algum “carneiro” através da caixa?

Livro altamente recomendável – verdadeiro tratado moral em forma diminuta!

 Até a próxima.

8 comentários:

  1. Eu já li o livro fiz até um post no meu blog, amei o livro e agora estou lendo a volta do pequeno príncipe, logo farei post

    ResponderExcluir
  2. Esse livro é uma leitura obrigatória, um clássico! Eu li quando era criança e tenho a maior vontade de reler porque realmente vale a pena e acho que vou me surpreender com detalhes que não tinha notado assim como você. O personagem é doce, e o livro tem belas reflexões. Parabéns pela resenha ^^

    (desconstruindoaspalavras.blogspot.com.br)

    ResponderExcluir
  3. É sempre bom ler, rever algo que gostamos muito. E sempre percebemos detalhes ou novos significados ou novas reflexões. Isso sempre acontece comigo, sou capaz de ler um livro ou de assistir a um filme diversas vezes. Atualmente, estou apaixonada pelo filme Meia Noite em Paris. Bj

    Rivanda
    somimo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Sou doida pra ler O Pequeno Príncipe, nunca li!

    ResponderExcluir
  5. Eu li esse livro e realmente me apaixonei,a coisa mais fofa e inteligente!
    vestindo-ideias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Eu aamo o pequeno principe! Acabei de comprar um caderno dele,foi os olhos da cara mas eu adoro hahaha!
    Beijos


    www.izabellagrimaldi.com

    ResponderExcluir
  7. Já li há muitos anos mesmo! gostei bastante :)


    Kiss*
    KellyAnne
    www.scream-of-beauty.blogspot.com

    ResponderExcluir

 
Páginas em Preto © Todos os direitos reservados.