14.7.14

Vampiro Contemporâneo


A combinação entre passadas extremamente lentas e a teimosia das pernas em completar o caminho para casa – por conta das dores em cada simples movimento – ilustravam mais um insucesso de William.
(Para ler o restante do post clique em "Mais Informações").


Tornou-se um lugar-comum afirmar – com apoio nos livros e filmes sobre os vampiros – que estes seres só podiam ser vencidos quando confrontados por crucifixos e quando expostos ao sol. Todavia, a desvantagem mais temida pelos vampiros não era esta. Em princípio esta fraqueza não parecia ser algo tão importante, mas seus desdobramentos mostraram-se alarmantes futuramente. Portanto, justificáveis os porquês da ocultação da informação pelas fontes oficiais que tratam do tema. Dor de dente! Não há condição mais frustrante para um vampiro que apresentar problemas na arcada dentária!
Antes de prosseguir um pedido de desculpas deve ser feito ao leitor. Talvez aguardasse com real interesse que o ponto vulnerável dos vampiros indicasse finalmente a origem desta mutação (acabando assim com inúmeras versões conflitantes que relatam o “nascimento” de tais indivíduos). Não. A dor de dente é razão muito mais simples e banal – não merecendo nenhuma volta ao passado em produções hollywoodianas para provar sua grandiosidade. Por certo quem já teve alguma dor de dente discordará rapidamente do simples e banal – e estão em seus direitos.
Havendo feito o caminho para casa – mediante um grande esforço para tolerar as dores – William não perdeu tempo em movimentar a maçaneta e entrar em sua residência. Que o leitor tenha pela expressão casa/residência aquilo que de fato ela é: local de descanso e para se afastar da agitação do mundo. Em verdade, a “casa” era mesmo um pequeno quarto para repousar. A distância entre a posição da cama, banheiro e cozinha não era das maiores, conquanto o preço do aluguel não fosse dos menores! (os vampiros também estão sujeitos à inflação). É preciso admitir que o caixão de William – escondido embaixo da cama em alguns momentos – quando era disposto devidamente sobre o chão - reduzia ainda mais o já não tão espaçoso quarto. Não havia alternativa. A cama tinha que lá continuar para não chamar atenção do dono da casa e o caixão (nosso estimado vampiro havia criado o hábito de dormir nele).
No instante em que iria retirar o caixão para se deitar notou um papel amassado no rumo da porta. Desamassou-o. Era uma lista contendo indicações de inúmeros alugueis atrasados e contas de manutenção básica (tais como pinturas e melhoramentos feitos no quarto). Foi o necessário para a serenidade de William ir embora. Começou a se lembrar de todas suas contas em atraso, da sua falta de emprego e o essencial – dos seus dentes incapacitados para morder.
__ Será possível que em pais de terceiro mundo até mesmo os vampiros sofrem? Não tenho dinheiro para uma simples ida ao dentista! – resmungava consigo mesmo num tom de voz elevado.
De fato, as preocupações que afligiam William escapavam completamente das inquietações que eram compartilhadas e vividas pelos seus pares mais experimentados. Ostentar com orgulho por pertencer a uma família da nobreza de vampiros, de puro sangue e tradicional? Iniciar profundas reflexões sobre a sua condição de imortal? Ridicularizar os humanos por uma existência tão insegura e passageira? Estes pensamentos estavam suspensos há algum tempo. William ocupava-se – com muito desgosto – de questões (como direi?) práticas e incomuns (sob o ponto de vista de um vampiro de alto gabarito: alimento e trabalho).
 Avancemos estas questões práticas pelo Trabalho. Se de fato – o mesmo – edifica o homem – ainda se desconhece se o mesmo vale em relação aos vampiros (no caso de William – por falta de oportunidade). William não conseguia uma ocupação já por um razoável período. Sem maiores explicações dos entrevistadores – a dedicação do nobre vampiro – era sempre rechaçada nas entrevistas e dinâmicas de emprego quando este orgulhosamente comentava as suas habilidades.
__ Caço lobisomens, bebo sangue dos seres humanos, durmo em caixões e não tenho disponibilidade no horário para trabalhar em períodos diurnos.
A fala de William era sempre encarada com zombarias pelos ouvintes – alguns pensavam que era algum maníaco por ele se referir ao sangue. Não se surpreenda leitor! Em tempos em que fatores sobrenaturais – como a existência de vampiros e outros seres – são colocados no mesmo nível em que as demais fábulas passadas para as crianças – não deve ser motivo de espanto a incredulidade das pessoas. Na era em que tudo tem que ser comprovado cientificamente – só mesmo os oráculos modernos (horóscopos) são dignos de aceitação. Em defesa de William – tenho que argumentar que com uma carência tão grande de mão de obra especializada encontrar outro candidato com um currículo tão variado não é tarefa muito fácil! E seja sincero meu caro leitor – desconhecemos os momentos em que iremos nos deparar com lobisomens (por cautela se aceita todo tipo de proteção).
Quanto à situação mais prática por excelência – alimentação – William cuidava do essencial (fome) com alguns serviços rápidos e temporários, todavia, ainda que sua dor de dente piorasse a cada dia a ânsia por sangue não cedia muito pelo contrário – aumentava proporcionalmente a sua dor dentária. Para saciar esta fome avançava descontroladamente sobre qualquer pedestre que localizava. A forma de cumprimentar não era a mais convencional. Fixar seus dentes – ou ao menos tentar fazê-lo – nos pescoços das pessoas não estava em manual algum de etiqueta!
As consequências da abordagem de William frequentemente resultavam em questões policiais. Explico-me. Nos séculos (e não seria exagero afirmar nos milênios anteriores) em que a influência dos vampiros era marcante – não tinham que ter cautela alguma – com forças policiais ou de quem fizesse às vezes este papel. Hoje não! Como aos vampiros atualmente não detém poderes para interferir (e o pior – nega-se que existam) vampiros que vivem sozinhos como William tem – e muito – que evitar desavenças com as autoridades. Estando a maior parte dos dentes de William em estado em que não suportariam uma dentada mais vigorosa – extrair sangue alheio era altamente custoso! Com uma força de vontade conseguia William em algumas oportunidades deixar alguns furos nos pescoços de suas vitimas, mas não o suficiente para se alimentar devidamente de sangue. O destemido vampiro era tomado como um simples tarado – por conta dos ataques aos pescoços – e passou a ser exposto em retratados nas delegacias de policia como o “Tarado das Dentadas” (fato humilhante para um vampiro de tão alto gabarito)!
De quando em quando meu caro leitor – William se permitia a refletir sobre sua condição de imortal. Não para orgulho, não para exibição, não por glória. E sim por uma tentativa – falha – de adivinhação.
___ Até quando terei que aguentar esta rotina desonrosa?
 Já estava quase se deitando no caixão quando ouviu quatro toques na porta. Aquela forma de bater era inconfundível! Era uma edição do “Diário Vampiresco”. Este caderno de noticias para os vampiros estava em momentos tormentosos com raríssimos assinantes. Basicamente era um jornal normal com exceção do caderno de classificados – muito oportuno – para os desempregados. Através deste classificado – os vampiros sabiam de antemão a localização e distribuição geográfica dos lobisomens – sendo oferecida uma recompensa para a captura dos mesmos (vivos ou mortos). A atividade de caçadores de recompensa (não importa do quê) jamais envelhece com a alteração dos séculos. É bem verdade que o “Diário Vampiresco” não era enviado com a frequência de sempre – a cada dois meses – pois os custos para a publicação não eram muitas vezes cobertos pelos assinantes e a principal característica do Diário (apontar lobisomens) estava prejudicada – não havia mais tantos lobisomens como nos tempos antigos.
Ao receber a edição por debaixo da porta William não teve dúvidas. Foi direto para a parte dos classificados e encontrou um alvo valioso. Por valioso o leitor deve fazer a seguinte matemática: pagar os alugueis mais o tratamento dentário. Colocou-se em pé. Agora os passos eram vigorosos, rápidos e determinados. A dor? Havia passado. Conseguir algum dinheiro e duelar contra o seu inimigo natural? E ainda há pessoas que dizem que da leitura não se tira nenhum bem imediato.

(continua)...

Não deixe de ler:

Vitor Hugo

0 comentários:

Postar um comentário

 
Páginas em Preto © Todos os direitos reservados.